A intuição

Durante o assalto das dúvidas, a intuição vem salvar. Olhando para trás, muitas foram as circunstâncias que levaram à decisão, à procura, à aceitação, aos planos. As coincidências foram muitas, assim como muitas foram as provas, as evidências de que era a hora. O sonho antigo voltando à memória. E o ideal desse sonho se casar bem com a expectativa da nova realidade. Tudo compensa o risco. Risco sim. Existente. Aos olhos de muitos, uma interrupção da carreira. Mas, se não se ousa em determinado momento da vida, quando o faremos?

Toda reflexão a respeito, mesmo com aspectos puramente racionais, revela que era a hora.

O sonho leva à realidade. E à sua transformação. O não sonho leva à morte.

Tudo estava na “listinha”, na Bucket List. Tudo é para ser. Tudo será.

 

“Ventura Highway in the sunshine
Where the days are longer
The nights are stronger than moonshine
You’re gonna go…  I know
Cause the free wind is blowin’ through your hair
And the days surround your daylight there”
Ventura Highway – America

Contato com os corretores de lá

Pesquisamos na Internet. Baixamos o Trulia (ver post de 16/06/13 – “O plano de Preparação com Tecnologia”). Sabemos dos locais que gostamos (são muitos). Ouvimos opiniões do grupo de brasileiros – e mesmo de americanos. Visitamos a cidade. Conhecemos locais. Sentimos o clima. Mandamos emails a alguns corretores, quando identificávamos no site residências para alugar com as quais nos identificávamos em termos de diversos aspectos.

Mas… muito cedo. Os corretores contatados dizem que os imóveis colocados para lugar geralmente têm desocupação imediata e pedem ocupação imediata. Apesar de nosso planejamento e mesmo ânsia, é difícil encaminhar alguma coisa para ocuparmos daqui a 3 meses. Temos que aguardar.

A ideia é, chegando mais perto, já deixar uns 10 imóveis com visita agendada. Até por que, por mais que se conheça na teoria, isso só se resolve na prática, “sentindo” a casa.

Calma… e planejamento. É isso.

 

“Qual é a minha casa?
Onde eu vou morar?
Quem me dá abrigo?
Quem vai me escutar?”

Duas Casas – Kid Abelha

Preparando os filhos

Como preparar os filhos para a experiência? Sabemos que por mais que haja preparo  e expectativa, a realidade é que vai “pegar”, que vai transformar. Mas é necessário que algo seja feito.

Conversar, conversamos. Explicamos o que vai ser. Referências, eles têm. De forma mais forte, o mais velho, com 11 anos. Gosta de seriados pré-adolescentes americanos. O que inclusive já o faz  ter impressões estereotipadas e dramáticas – o que é natural.

O que fazer, além disso? Reforço nas aulas de inglês. OK. História americana. Pensamos e estamos pesquisando material. Conversas em família também.

Hoje, tive uma ideia. Ver um filme que mostra a vida americana, um pouco da história deles e que diverte muito. Qual é?

Forrest Gump. Um de meus filmes preferidos. Vê-lo sob essa ótica, com Dani, na companhia do Léo foi muito bom. Não pensei, por enquanto, em outros filmes. Em outras coisas para fazer dentro de nosso limite de tempo.

Aguardo sugestões. Sei que temos que correr. O tempo está passando. “Run Forrest”.

“Pai, vem me ensina a caminhar
Presença que constrói
Teu conselho sempre sera
rumo pra seguir
Teu exemplo me guiara
Enquanto eu viver
em tudo que fizer “

Amigo e Herói – Walmir Alencar