Furniture Outlet – o jeito chinês de negociar e americano de trabalhar

Uma parte dos móveis compramos numa espécie de Casas Bahia daqui. Coisa aparentemente boa e bem barata. Antes, pesquisamos exaustivamente e tínhamos ideia dos preços IKEA (ver post). Esses, além do preço descontado, contou com a grande disponibilidade de negociar da proprietária, chinesa, assim como todos os vendedores. O preço foi imbatível, os móveis eram vietnamitas (para eles a mão de obra chinesa já está cara) e pelo menos esses (camas e colchões) forma trazidos e montados em nossa casa.

Interessante ver a produtividade e treino dos trabalhadores que vieram montar. Dois chineses e um mexicano. Tudo sincronizado, rápido, cronometrado. Uma beliche, uma cama de casal, dois criados mudos, uma cômoda. Tudo montado em 1:30. Eu que estava me orgulhando de minhas habilidades com os produtos IKEA, fiquei impressionado.

 

IKEA, IKEA 2 e mais IKEA

ikeaIMG_8743 IMG_8741 IKEA_boxes Quando fiz MBA ou um dos outros cursos executivos de que tive a felicidade de participar, foi citado como exemplo de sucesso a IKEA. A maior cadeia de móveis do mundo, baseada e levando ao extremo o conceito de faça você mesmo. Fiquei, desde então curioso para conhecer uma IKEA, pois não tem no Brasil. A chance estava próxima.

Com a perspectiva de ficar um ano, com um apartamento alugado com a cozinha montada e armários embutidos, faltava tudo o mais. E tudo o mais inclui camas, sofá, pratos, lençóis e outras coisas essenciais em uma casa. Me recomendaram a IKEA, mas eu iria lá mesmo que não me tivessem recomendado.

Levar ao extremo o conceito de faça você mesmo inclui você escolher o  móvel, anotar o número dele e pegar as caixas dele desmontado no gigantesco estoque da loja. Uma área só de caixas do lado do show room. Você pega, ninguém ajuda. Se a caixa é descomunal, é dividida em duas. Ou mais. Os carrinhos de carregar caixas são adequados e até o elevador (grande como uma sala, o maior que já vi), tem a porta do exato tamanho de para uma pessoa levando a maior caixa (de um sofá) passar por lá.

O show room da IKEA é imenso. Tok & Stok e Etna se inspiraram nela (com algumas ressalvas e adaptações). Cada produto tem um nome, sueco. Os menores se pegam na área chamada Market Place. Os maiores, no armazém anexo.

Mas por que comprar móveis, se se vai ficar um ano? Bom, tem que se comprar alguma coisa. Queremos receber hóspedes. Fomos a garage-sales, e garimpamos bons produtos. Tínhamos que criar uma rotina para as crianças estudarem. E se adaptarem. E pesquisei (Ebay, Amazon) que os produtos IKEA tem bom valor de revenda.

Eles, para fazer valer seu slogan “Affordable Design”, ou design acessível, retiram do preço boa parte de custos de mão de obra, armazenagem e transporte. Como? Deixando para o consumidor fazer. Você compra peças acondicionadas em caixas bem compactas. O que não toma espaço deles e economiza o transporte. Você mesmo retira as caixas do armazém (cada produto tem a indicação sobre que corredor e que compartimento do corredor está a caixa (ou as caixas). Algumas são BEM pesadas, o que pode causar desconforto.

Porém, é sensacional a loja. Gosto dessas coisas, sempre gostei de trabalhos manuais em casa e a ideia de montar um sofá me atraiu.

Aqui na região tem duas lojas IKEA, a de Palo Alto e a de Emeryville. Apesar de a de Emeryville ser geograficamente um pouquinho mais perto – ou menos longe – do hotel, eu já sabia que o caminho para lá é mais congestionado (atravessar a Bay Bridge).

Fomos à IKEA de Palo Alto. No primeiro dia só olhando tudo. Minha mãe ficou fascinada. Só ela…

Mais de IKEA, claro, em WWW.ikea.com

 

O Craigslist

Em 1995, Craig Newmark iniciou um serviço de mailing, para alguns amigos e conhecidos,, falando de eventos locais em San Francisco. Com pouco tempo, alista cresceu, e as pessoas aproveitavam para incluir nela assuntos que nada tinha a ver com eventos, como currículos e coisas para vender. O potencial da Internet como forma de mídia, muito útil para classificados estava ali despontando. E o Craigslist cresceu, virou um site de classificados onde tudo é anunciado. Começo ali em SF e hoje existe em mais de 50 países. Sem falar nas inúmeras imitações.

Só que lá em SF tudo se negocia pelo Craigslist (WWW.craigslist.org). Aluguéis, sexo, produtos, serviços. Tudo. E todos recomendam o site para tudo.

Além disso, há uma interessante sessão: FREE. Como a legislação municipal é rigorosa em relação a lixo e dejetos, alguém que não quer mais um móvel ou produto nem sempre pode colocá-lo na calçada. Então, anunciam muito no Craigslist que estão doando algo.

É possível montar todo um apartamento com coisas do Craigslist. Amigos que conhecemos pegaram bastante. E vale a pena, mesmo que por curiosidade, dar uma olhada na sessão (http://sfbay.craigslist.org/sfc/zip/). Alguns anúncios dizem até: “É seu, mas tem que vir buscar, trazendo pelo menos três caras. O (ex) dono, não moverá um dedo para carregar (esse sofá) até lá embaixo.” Justo.

“You’ve got a ’65 Chevy Malibu
With automatic drive
A custom paint job, too
I’ll trade you for my old wheelbarrow
And a slightly used sombrero
And I’ll even throw in a stapler, if you insist
Craigslist! /I’m on Craiglist, baby, come on!”

Craigslist – Weird Al Yankovic