O que levar. O que deixar. O que vender. O que doar. Amigos & armazenagem

Começando pela metáfora,  em momentos de ruptura, de sacudida, a gente revê a vida. As ações passadas, o que foi feito até hoje, os planos futuro. O que construímos. O que ainda vamos construir. Como melhorar.  O que sobra em nossa vida…

E  uma mudança física, de fato, e dessa magnitude, é bom rever também o próprio lado material mesmo. Poderemos levar pouca coisa, claro, considerando os limites internacionais de bagagem. Nos EUA produtos são mais baratos. Isso contribui para a ideia do descarte.

Aí, a gente vê quanta coisa tem em casa. Que não usa. Que nunca vai usar. Que pode servir a outros. Que pode ser doada. Que pode ser vendida, para fazer caixa. Assim, fizemos a classificação

Faremos um bazar, com coisas que serão vendidas e servirão para a montagem da nova casa. Outras, serão doadas. E como vamos alugar nosso apartamento daqui, mobiliado, para ajudar no aluguel de lá, muita coisa deverá ficar armazenada. O problema é: aonde?

Não há empresas que alugam espaço de armazenagem. Ou se há, não compensam os preços. Recorremos, claro, a parentes e amigos. Alguns espaços disponíveis e gentilmente cedidos serão usados por nossas caixas. Aqui, agradeço, com sempre à Mamãe, à prima Ana Lúcia e ao bom amigo Iuri.  Eles ficarão com nosso “espólio” até a volta.

Houve por alguns instantes a dúvida se deveríamos ou não alugar o apartamento daqui, mobiliado. Após ver os aluguéis de lá, a dúvida se dissipou. Foi mágico…

E para quem não viu, uma olhadinha no vídeo promocional Bazar dos Gaspar, da venda que fizemos:.

“Hoje eu tô jogando tudo fora
Tudo que não presta mais
Todo o lixo que juntei
Nos meus becos e quintais”
Gentil Loucura -Skank

 

Mudança – Parte1

fotoÉ parte do projeto. Metaforicamente, a mudança já começou bem antes. Na decisão, nos preparativos, nas tratativas. Porém a concretzação de tudo dá a certeza concreta, visível, além e de todas as evidências, do fato.

Pintamos nosso apartamento. Esvaziamos armários. Fizemos o bazar do desapego. Tiramos caixas e caixas de coisas. Esse processo é mias que meramente material. É psicológico, fislosófico mesmo. Como temos coisas. como dá trabalho!  E de certa froma, como alivia se desapegar.

A partir de hoje dez dias na casa de minha mãe. Com crianças e cachorro também. Um prepartivo.Uma prévia.